Ano X - 2007/2016 - 10 ANOS NO AR - BLOG DO IVSON - "A IGREJA CATÓLICA EM NOTÍCIAS" - EDITADO POR IVSON DE MORAES ALEXANDRE - VOLTA REDONDA - RIO DE JANEIRO - BRASIL
Seja bem-vindo. Hoje é

sábado, 22 de junho de 2013

50 anos da eleição de Paulo VI: recorda-nos seu amor a Cristo, à Igreja e ao homem, diz Papa Francisco


Cidade do Vaticano (RV) - O testemunho de Paulo VI "alimenta em nós a chama do amor a Cristo, do amor à Igreja, do impulso de anunciar o Evangelho". Foi o que disse o Papa Francisco no discurso feito no início da tarde deste sábado na Basílica de São Pedro aos cinco mil peregrinos da Arquidiocese de Brescia, norte da Itália, presentes em Roma por ocasião do 50º aniversário da eleição do Papa Montini.

O Papa chegou à Basílica ao término da missa presidida no altar da Confissão pelo Arcebispo de Brescia, Dom Luciano Monari. Encontrava-se também presente o prefeito emérito da Congregação para os Bispos, Cardeal Giovanni Battista Re.

"O amor a Cristo, o amor à Igreja e o amor ao homem": são os três aspectos testemunhados pelo Servo de Deus Paulo VI em torno dos quais se desenvolveu o discurso do Papa Francisco, reiteradas vezes aplaudido pelos cinco mil fiéis presentes.

"Essas três palavras – disse – são atitudes fundamentais, bem como apaixonadas de Paulo VI", que "soube testemunhar, em anos difíceis, a fé em Jesus Cristo":

"Ressoa ainda, viva mais do que nunca, a sua invocação: 'Vós sois necessário para nós, ó Cristo!'" – lembrou o Papa.

"Sim, Jesus é mais do que nunca necessário ao homem de hoje, ao mundo de hoje, porque nos 'desertos' da cidade secular Ele nos fala sobre Deus, nos revela a sua face."

De fato, no discurso aos cinco mil peregrinos conterrâneos do Papa Montini, que nasceu em Concesio, província de Brescia – norte da Itália –, Francisco evidenciou, sobretudo, a totalidade do amor de Paulo VI a Cristo. Uma totalidade já visível na escolha do nome como Papa: Paulo é o Apóstolo que levou o Evangelho a todos os povos e que "por amor a Cristo ofereceu a sua vida", afirmou ele mesmo.

O Santo Padre citou mais vezes as palavras de Paulo VI para evidenciar esse amor: "Cristo! Sim, eu sinto a necessidade de anunciá-lo, não posso calar!", disse em Manila o Papa Montini recordando que "Cristo é o centro da história e do mundo", "Ele é o companheiro e o amigo da nossa vida". "Grandes palavras", observou o Papa Francisco:

"Confesso uma coisa a vocês: este discurso em Manila e também em Nazaré foram para mim de fortaleza espiritual. Fizeram-me muito bem em minha vida! Volto sempre a esse discurso porque me faz bem ouvir essas palavras de Paulo VI."

O segundo ensinamento que Paulo VI nos deixou foi o seu profundo amor à Igreja, "Mãe que leva Cristo e que leva a Cristo". Um amor a ponto de doar-se à Igreja sem reservas com um "coração de verdadeiro Pastor, de um autêntico cristão, de um homem capaz de amar", disse o Papa Francisco, revelando também que "Paulo VI viveu plenamente as dificuldades da Igreja após o Concílio Vaticano II, as luzes, as esperanças, as tensões".

O Santo Padre fez referência a vários escritos de Paulo VI, como a sua primeira Carta encíclica Ecclesiam suam, "Pensamento sobre a morte", o seu Testamento. Mas, sobretudo, à Exortação apostólica Evangelii nuntiandi, "para mim – afirmou – o mais importante documento pastoral escrito até hoje".

Por fim, o terceiro aspecto que Paulo VI testemunhou: o amor pelo homem. Um aspecto profundamente ligado a Cristo, porque é justamente a paixão por Deus que impele a servir ao homem.

Nesse sentido, o Papa Francisco evidenciou, citando as palavras de Paulo VI, que "toda essa riqueza doutrinal" está voltada para "servir ao homem" "em toda sua necessidade", tanto que "a Igreja quase se declarou serva da humanidade":

"Nós neste tempo podemos dizer as mesmas coisas que Paulo VI: a Igreja é serva do homem, a Igreja crê em Cristo que veio na carne e por isso serve ao homem, ama o homem, crê no homem. Essa é a inspiração do grande Paulo VI. Caros amigos, reencontrar-nos em nome do venerável Servo de Deus Paulo VI nos faz bem! O seu testemunho alimenta em nós a chama do amor a Cristo, do amor à Igreja, do impulso a anunciar o Evangelho ao homem de hoje, com misericórdia, com paciência, com coragem." (RL)


Texto proveniente da página
do site da Rádio Vaticano 

Nenhum comentário: